“Chance de Viver” – A música pró-vida que vai fazer muitas gestantes desistirem do aborto

Um das funções da arte é comunicar. Muitos artistas, conscientes disso, desenvolvem obras no intuito de transmitir uma mensagem.

A artista japonesa, Kayoko Honda, conviveu frente-a-frente com o aborto e, pensando nas gestantes que encontrou, compôs uma música pró-vida. Além de ser cantora, Kayoko também é enfermeira e trabalha no setor de ginecologia em um hospital no Japão, país onde as taxas de natalidade são baixíssimas e o aborto é legal.

Ao trabalhar como enfermeira num país onde as pessoas não querem ter filhos, Kayoko cansou de ver jovens procurando por um médico para realizar um aborto. Por isso, ela escreveu a canção “Chance de Viver”, na esperança de sensibilizar as pessoas sobre o valor da vida do feto – pois ainda que pequenino, é um ser humano.

Kayoko canta em português e japonês. Ela é casada com um brasileiro e é apaixonada pelo Brasil.

O clipe foi um trabalho conjunto dela, do marido, de um amigo japonês e da atriz Camila Pipoca, que estava grávida de verdade durante as gravações.

Além da letra expressiva, o clipe mostra a beleza da nova vida, o medo da jovem e a necessidade de ter coragem – porque aceitar a vida vale a pena!

Esse trabalho musical ainda pondera a dor de quem se engana com a “outra escolha” – uma vez que o aborto não é uma coisa “normal”, mas é a perda de uma criança. E a jovem que cai no aborto, cai fundo!

“Chance de Viver” não é só mais uma música com letra contra o aborto, é o resultado de um trabalho com claras características pró-vida: a música tem coração, tem alma, convida para o amor; mostra preocupação com o outro, vê o sofrimento, o medo, as dúvidas e oferece encorajamento.

Com certeza, uma canção que merece entrar no seu repertório!

Assista o clipe, curta e divida o vídeo com outras pessoas. Para saber mais sobre a Kayoko, visite a sua página do Facebook. Ela merece todo apoio e carinho de nós, família pró-vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.