Petista ex-ministra de Dilma lamenta: “Não consegui legalizar o aborto”

A forma como o PT trata a questão do aborto indica muito bem como ele trata os eleitores. Jamais o assunto é abordado à luz do dia. Jamais o eleitor é tratado como um indivíduo que mereça a verdade e nada menos que isto.

A nova enganação do PT e da campanha do poste da vez, Fernando Haddad, é que trata-se de “fake news” tudo que relacione seu eventual governo com a liberação do aborto. Mas será mesmo? Eis uma declaração recente do candidato Haddad em encontro com líderes protestantes:

“Nenhum dos nossos governos encaminhou ao Congresso leis inexistentes pelas quais nos atacam: a legalização do aborto, o kit gay, a taxação de templos, a proibição de culto público, a escolha de sexo pelas crianças e outras propostas, pelas quais nos acusam desde 1989, nunca foram efetivadas em tantos anos de governo. Também não constam de meu programa de governo”, afirma o candidato na carta.

Segundo a fala de Haddad, tudo isto é apenas uma fantasia coletiva que é imputada a cada eleição sobre os imaculados petistas. Haddad também disse que o juiz Sérgio Moro vem fazendo um bom trabalho na Operação Lava-Jato, mas que ele errou ao condenar o ex-presidente Lula. Certo… E, agora, Haddad também diz que, se for eleito, não dará indulto ao presidiário Lula. Certo… Ou seja, ele acredita que o juiz Moro condenou Lula erroneamente, mas não lhe dará indulto caso assuma a presidência. Certo…

Como sempre, as lideranças petistas apostam, com a mão amiga da imprensa nacional (não é mesmo Folha?), que seus eleitores não farão uma checagem básica no histórico do partido. Aqui neste blog mesmo, pouquíssimas vezes a questão do aborto não tem a ver com o PT e sua atuação de forma direta ou indireta pela total liberação desta hedionda prática no Brasil.

Basta uma checada em uma postagem feita logo após o impeachment de Dilma Rousseff: “O PT no poder: 13 anos lutando pelo aborto”. Deixo aqui um pequeno trecho que mostra bem que a tática utilizada por Fernando Haddad para lidar com a questão — negando por um lado e atuando pelo outro — foi inaugurada pelo próprio Lula, o presidiário, o corrupto:

“Durante seus mandatos, Lula sempre que necessário afirmava-se pessoalmente contrário ao aborto, mas dizia que tinha uma responsabilidade como presidente de todos os brasileiros. Isto nada mais era que uma de suas espertezas e porque não queria perder apoios importantes, principalmente entre os religiosos e boa parte da população, que é amplamente contrária ao aborto. Para manter este discurso, Lula foi capaz de encaminhar carta ao então presidente da CNBB, Dom Geraldo Majella, na qual afirmava sua identificação com os valores éticos do Evangelho e a fé que havia recebido de sua mãe, garantindo ainda que seu governo não tomaria qualquer iniciativa que fosse contrária aos princípios cristãos. Dois meses após esta carta, Lula deu aval a Nilcéia Freira, então ministra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, para que ela seguisse em frente com a proposta de revisão da legislação relacionada ao aborto.”

Não vou aqui falar sobre kit-gay, legalização de drogas, troca de sexo por crianças, casamento gay e outras coisas que Haddad diz que são mentiras que circulam contra o PT. Basta uma pesquisa básica pela internet e podemos ver o braço do PT enfiado até o cotovelo nesta cumbuca. Aqui vou apenas mostrar um fato que passou praticamente despercebido pela grande imprensa, mas que felizmente foi noticiado pelo jornal “O Povo”, do Ceará e demonstra bem como o PT atua em relação ao aborto quando está no poder.

Eis um curto trecho da reportagem e que diz muito em poucas palavras:

“Em discurso na Plenária Estadual de Mulheres do PT Ceará, ontem, a ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres do governo Dilma Rousseff (PT), Eleonara Menicucci, contou que houve tentativa de legalizar o aborto durante a gestão, frustrada por um “Congresso Nacional fundamentalista”.

“O que me levou (a assumir o cargo) foi a possibilidade de colocar sonhos do feminismo em prática. Eu não consegui a legalização do aborto. Não que a Dilma fosse contra: o conjunto de companheiros do ministério que não era unânime. Mesmo sendo do PT, por mais que esteja na pauta, não era. Agora, tem o Congresso Nacional, que é conservador, reacionário, fundamentalista, dificílimo de passar qualquer coisa nesse aspecto”, disse socióloga Eleonara Menicucci.”

“Não que a Dilma fosse contra” – adoro quando uma militante abortista faz malabarismos para não dizer o que ela não quer que seja de conhecimento amplo. Vou ajudá-la então: Dilma é favorável ao aborto. Dilma é total e completamente favorável ao aborto. E mais: colocou Eleonora Menicucci lá na Secretaria de Políticas para as Mulheres exatamente para fazer de tudo para liberar o aborto no Brasil. E ela tentou, tentou e tentou até não poder mais, até o último minuto, e apenas não conseguiu por causa da vigilância dos que lutam pela vida.

Menicucci

Quem é Eleonora Menicucci? O jornalista Reinaldo Azevedo, em seus tempos de Veja, publicou artigo no qual constava entrevista da sra. Menicucci confessando ter participado de práticas de aborto na Colômbia, o que configura crime por lá, como é também no Brasil. Vale a pena ler a transcrição da entrevista no antigo blog do jornalista. Eleonora Menicucci chega ao ponto de chamar-se de “Avó do Aborto”. Quanto orgulho! E foi esta pessoa que Dilma Rousseff colocou em um ministério em seu governo…

Mas o importante em tudo isto é mostrar o método petista de atuação sobre o aborto. Em época de eleições seus candidatos firmam compromissos de não legalizar o aborto, aparecem junto a líderes religiosos — que ou são ingênuos (para falar o mínimo) ou são como Judas mesmo, esperando cair 30 moedas em suas contas –, mostram-se indignados com acusações de serem “abortistas”, reafirmam seus “princípios cristãos” (tática preferida pelo presidiário Lula), etc. A nova, agora, é dizer que tudo se trata de “fake news”. Posso até imaginar Haddad com a mão espalmada no peito e aquela expressão indignada na face dizendo “Como podem dizer que eu favoreceria o aborto?”.

É bom que se diga que eu não mais acredito em ingenuidade quando se trata do PT e da questão do aborto. Este blog começou a ser publicado no começo de 2006 justamente para mostrar como o abortismo avançava no Brasil a passos largos alavancado pelo governo petista. De lá para cá, nada mudou em relação ao PT, ele jamais deixou de tentar de todas as formas liberar o aborto no Brasil. Basta percorrer nossas postagens e é difícil deparar com algum texto denunciando iniciativas de liberação do aborto no Brasil que não tenham a ver com o PT e com a esquerda em geral.

Exatamente por isto não levo a sério, com pouquíssimas exceções, quem se diz de esquerda e contra o aborto. Isto se dá por dois motivos. Primeiro, raríssimo é o militante de esquerda que se diz pró-vida que não aceita baixar a cabeça quando tiver de escolher entre as resoluções partidárias favoráveis ao aborto e a defesa da vida.

Um das exceções é o ex-deputado Luiz Bassuma. Ele teve de enfrentar a fúria da liderança do PT, que tentou de todas as maneiras fazer com que ele votasse favoravelmente ao aborto, mesmo que para isto tivesse de violentar sua consciência. Por fim, Bassuma foi suspenso por 1 ano, o que o levou a desfiliar-se do PT. É o próprio Bassuma quem conta isto em vídeo:

Eis um trecho da fala de Bassuma no vídeo:

“(…) todo mundo é obrigado, no PT, a defender a legalização do aborto”

E vem agora Fernando Haddad firmando compromissos que não vai tentar liberar o aborto? Agora vem Haddad dizendo-se cristão? Irá também, assim como o corrupto Lula, afirmar seus “princípios cristãos”? Onde estava Fernando Haddad e seu suposto cristianismo quando Luiz Bassuma era constrangido e praticamente expulso do PT?

O segundo motivo pelo qual não levo a sério quem se diz de esquerda e contra o aborto é que eles são completamente irrelevantes. Luiz Bassuma, por mais que tenha se sacrificado, por mais que tenha feito de tudo para manter seus princípios intactos e continuar no PT, por mais que tenha agüentado uma pressão absurda por parte da liderança, de que valeu tudo isto? O PT não se desviou 1 milímetro de seu curso em direção à liberação do aborto, como a própria fala de Eleonora Menicucci deixa claríssimo, e Bassuma teve que partir para outra.

Então mesmo no caso de um esquerdista que mantém heroicamente a integridade de seus princípios, como parece ter feito Luiz Bassuma, isto não tem qualquer efeito prático. É como jogar um punhado de açúcar no mar e esperar que a água fique potável.

Mas a verdade é que a maioria dos esquerdistas pró-vida não dão tanto valor assim à integridade de seus princípios. Uns até parecem bem sinceros em seus posicionamentos pela vida humana, mas, quando confrontados com situações-limite, a defesa da vida humana, que lhes parecia tão cara, é atirada no altar da ideologia para ser sacrificada.

Há mesmo alguém ainda tão ingênuo que acredite que o PT não quer liberar o aborto? Isto não consta de suas resoluções? Lula não dizia uma coisa e fazia outra sobre a questão? Dilma não procedeu da mesma maneira? Eleonora Menicucci não declarou, sentida, “Não consegui a legalização do aborto”, um dos sonhos do feminismo? Isto não indica exatamente que ela estava lá, com o aval de Dilma Rousseff, tentando liberar o aborto?

E mais: a principal obra em relação ao aborto foi feita pelo PT às vistas de todos e não foi por falta de aviso dos militantes pró-vida. É o STF o problema mais grave no momento. O mesmo STF que foi aparelhado pelo PT com gente favorável ao aborto, gente como Luiz Roberto Barroso, que não esconde de ninguém seu favorecimento à liberação do aborto. E vem Haddad querer agora manter-se à margem de tudo o que foi feito pelo seu partido? E agora vem gente de esquerda e que se diz pró-vida querendo que levemos a sério esta gente que mente e que manipula a todos desta forma em relação a um assunto de vida e morte de seres humanos inocentes?

Não, não há mais ingênuos. Há, sim, aqueles que utilizam de má-fé, que se dizem pró-vida apenas como forma de legitimar ou conter os danos que o abortismo causa à esquerda junto à população; e há também aqueles que nada mais são que escravos da ideologia que resolveram servir.

É uma gente que tem desculpa pronta para qualquer atitude do PT e da esquerda em relação ao aborto. É uma gente que se diz pró-vida, mas que na verdade coloca a defesa da vida em segundo plano quando se trata de defender sua ideologia querida. É uma gente para a qual votar na esquerda é mais importante que a vida de crianças por nascer.

É com gente assim que o PT e a esquerda em geral conta para ir levando sua agenda abortista à frente.

2 Replies to “Petista ex-ministra de Dilma lamenta: “Não consegui legalizar o aborto””

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *