Socialistas querem criminalizar pró-vidas na Espanha

Na Espanha, o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) apresentou uma proposta de reforma do Código Penal para condenar de 1 a 3 anos os pró-vidas que atuem próximo aos centros de aborto – seja com oração (como os 40 dias pela Vida), o oferecimento à gestante de uma ecografia, ou de qualquer outro tipo de ajuda.

O grupo socialista afirma que “o assédio nos centros de saúde onde as mulheres interrompem voluntariamente a gravidez tem sido constante desde que se despenalizou o aborto”. Por isso, querem blindar os centros de aborto para que não haja nenhuma interação que leve a mulher a desistir do aborto – além de outros motivos ocultos que pró-vidas alertam.

Para modificar o Código Penal español, os socialistas se apoiam no informe elaborado pela ACAI (associação dos abortórios na Espanha), o grupo que se enriquece com a realização de aborto e vê como problemático “perder clientes”, isto é, que uma gestante desista de abortar.

O informe, fabricado para proibir a ação dos pró-vidas, afirma que “estes grupos organizados” têm como objetivo “que as mulheres mudem de decisão através de coerção, intimidação e assédio”.

Em televisão aberta, a portavoz da ACAI descreveu como os pró-vidas “coagem” as gestantes: “Aparece um van com um aparelho de ultrassom, eles convidam as grávidas a subirem, lhe fazem uma ecografia, mostram os batimentos cardíacos, colocam a imagem [do bebê]  numa tela e, ainda, as convidam para tomar um café da manhã!”

O grupo pró-vida Rescatadores Juan Pablo II, muito ativo em frente a clínicas de aborto, contactados sobre as “numerosas denuncias de mulheres” que a ACAI lhes alega, assegurou: “Nunca nos chegou nenhuma acusação. Justo o contrário, ganhamos julgamentos quando funcionários das clínicas de aborto nos agrediram. Incluindo multas que eles tiveram que nos pagar”.

Marta Velarde, presidente do grupo, disse que a indústria do aborto quer acabar com os resgates apesar de que “não coagimos” e “não há nenhuma denuncia contra nós”.

Isso porque, além dos danos econômicos que as equipes de resgate geram para as clínicas de aborto, os resgatadores sabem que há outro motivo oculto e muito grave.

Por um lado, as centenas de bebês salvos somente pela interação com os resgatadores coloca em evidencia que muitas mulheres não querem abortar, mas que são pressionadas. Quando encontram uma pequena luz se agarram a ela para não abortar.

Velarde explicou que “essa crença de que a mulher está decidida a abortar quando vai a uma clínica de aborto não é correta. O que a mulher quer é uma mão estendida. É muito impressionante porque todas as mulheres que saem do abortório nos ouvem. Todas!”

“Ficamos bastante longe. A trinta ou quarenta metros do local de abortos. E nós dizemos à elas que são livres para entrar ou não. E todas nos ouvem”, enfatiza.

Porém o outro motivo, muito grave, é a tentativa dos abortistas de manter e ampliar a impunidade que gozam ao proibir o trabalho de resgatadores perto de seus centros. Isso porque “Vemos muitas coisas que eles não querem que vejamos”, alertam.

Marta Velarde relatou que “por estar nas proximidades de centros de aborto, ficamos sabendo de muitas coisas que eles fazem lá. Vimos caixões de adultos removidos pela funerária de dentro dos abortórios. E as fotos não foram tiradas por nós, mas pelos vizinhos”.

E conta um exemplo: apenas na Clínica Dator (de aborto, em Madri), em um único mês os resgatadores conseguiram fotos de dois caixões saindo. “Nós temos fotos de dois caixões, mas quantos serão?”, pergunta. A saída de um desses caixões ocorreu às 18 horas e as pessoas começaram a tirar fotos. Marta diz que “o abortório chamou a Polícia Nacional e bloqueou toda a rua com vans para que ninguém tivesse acesso”. “Nós descobrimos porque as pessoas sabem que estamos lá fora. Os vizinhos nos ajudam muito”, disse.

 

Com informações: Religión en Libertad, Ambulancia Vida e Rescatadores Juan Pablo II

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.