Revista Marie Claire mente sobre aborto

 

A deputada estadual Janaina Paschoal recentemente foi entrevistada pela Revista Marie Claire. Como não poderia deixar de acontecer, a revista, que defende o aborto sem qualquer pudor enquanto fala de moda, horóscopo e beleza, deu grande destaque ao tema em suas perguntas à deputada recém-eleita.

A seriedade da publicação pode ser vista já na forma com que foi escolhida a chamada da entrevista – “Janaina Paschoal não descarta escrever um novo processo de impeachment”. Eis o trecho de onde ela foi retirada:

MC. Você escreveria outro processo de impeachment?
JP. Ai, é tão desgastante. Mas acho difícil dizer não, sabe? Espero que não seja preciso, mas se for, a conversa é outra. O que te digo com tranquilidade é: adoraria que isso nunca mais fosse necessário. A gente quer que os governos deem certo.

Sim, ela realmente não descartou escrever um novo processo de impeachment, mas destacar justamente isto na entrevista diz muito sobre a seriedade da publicação. O próprio assunto impeachment foi tratado na entrevista de forma diferente de apenas dizer que participaria de um novo processo. A deputada até mesmo se disse “feminista”, coisa que é tão cara à revista Marie Claire, mas parece que ela não é o tipo de feminista apreciada pela publicação, o que fica bem claro quando é tratado o assunto aborto.

O tema surgiu a partir da explicação da deputada de que a eleição de Bolsonaro foi como uma resposta da população.

MC. Recentemente você afirmou que a eleição de Jair Bolsonaro foi uma espécie de resposta da população. Resposta a quê?
JP. 
A um totalitarismo. Não é só o PT, é essa mentalidade de que ou você concorda ou você é inimigo. Tem que ser favorável à legalização do aborto, favorável à legalização da venda de drogas, tem que achar que Venezuela não é uma ditadura. Não vejo nada disso como progressismo; nenhum totalitarismo pode ser chamado de progressista.

Após esta resposta corretíssima de Janaina Paschoal, a entrevistadora disse algo que pode ser colocado nos primeiros lugares dos anais da desonestidade do jornalismo brasileiro:

MC. Mas a pauta do aborto, por exemplo, sequer foi tocada nos governos do PT.
JP. 
Olha, todo petista que conheço é a favor de liberar aborto. Mas talvez eu esteja falando do que vi na universidade, que é muito dominada pela esquerda. A pauta do aborto dentro das universidades é algo forte. E não é uma mera descriminalização, é a imposição, para as adolescentes, da ideia de que é um direito fundamental. É uma bandeira que desmerece a própria mulher.

O nível de cara-de-pau necessário para uma pessoa dizer que a questão do aborto “sequer foi tocada nos governos do PT” é inimaginável. Tais palavras, se ditas por qualquer pessoa que não entende minimamente do tema, soariam ridículas e repletas de ignorância. Ao serem ditas, porém, por jornalista de uma revista de circulação nacional é difícil que não interpretemos isto como uma tentativa de limpar a barra do PT em relação a tudo o que ele fez pelo aborto. E isto já acontecia até antes de sua chegada à presidência com Lula e Dilma Rousseff.

Ao contrário da revista, temos inúmeros exemplos para mostrar que o PT não apenas tocou na pauta do aborto, como foi o partido que mais levou á frente o tema, tentando por todos os meios possíveis alavancar sua liberação no Brasil. Destacaremos aqui apenas algumas de nossas inúmeras postagens nas quais mostramos claramente que o PT e o aborto são como unha e carne desde sempre.

Em 2016, publicamos uma postagem – “O PT no poder: 13 anos lutando pelo aborto” – na qual mostramos de forma resumida e clara boa parte de todo o envolvimento dos governos petistas com a liberação do aborto no Brasil. Eis um trecho:

Foi o governo Lula que criou uma comissão com o objetivo específico de revisar e propor mudanças no Código Penal para que o aborto deixasse de ser crime e passasse a ser direito.

Foi durante o governo Lula que a liberação do aborto começou a ser vendida como necessária porque trata-se de um “problema de Saúde Pública”. E para isto foram divulgados dados fictícios, os partidos de esquerda começaram a bater nesta tecla freqüentemente, a mídia embarcou e dava suporte a esta guinada no discurso anterior que era o de “direito ao próprio corpo”. Isto nada mais era que uma nova etapa da enganação que sempre envolve o tema da liberação do aborto, pois torna-se bem mais fácil a flexibilização da opinião pública diante de números absurdos de mortes.

Em outra prova, na última eleição passada, quando a candidatura de Haddad começava a fazer água e um dos motivos era exatamente o notório favorecimento do aborto por parte do PT, começou a circular nas redes sociais que esta ligação PT-Aborto tratava-se de “Fake News” apenas para atingir a candidatura de Haddad.

Para responder a esta nova enganação petista, escrevemos aqui uma postagem na qual mostramos a declaração de uma ex-ministra do governo Dilma Rousseff na qual ela lamentava que não havia conseguido levar á frente seus planos para tornar legal o aborto no Brasil. Eis a declaração concedida por ela ao jornal O Povo:

Em discurso na Plenária Estadual de Mulheres do PT Ceará, ontem, a ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres do governo Dilma Rousseff (PT), Eleonara Menicucci, contou que houve tentativa de legalizar o aborto durante a gestão, frustrada por um “Congresso Nacional fundamentalista”.

“O que me levou (a assumir o cargo) foi a possibilidade de colocar sonhos do feminismo em prática. Eu não consegui a legalização do aborto. Não que a Dilma fosse contra: o conjunto de companheiros do ministério que não era unânime. Mesmo sendo do PT, por mais que esteja na pauta, não era. Agora, tem o Congresso Nacional, que é conservador, reacionário, fundamentalista, dificílimo de passar qualquer coisa nesse aspecto”, disse socióloga Eleonara Menicucci.”

Talvez a revista Marie Claire possa explicar como uma ministra de um governo petista possa lamentar que não tenha conseguido legalizar o aborto sem que a questão não tenha sido “tocada nos governos do PT”

E na mesma postagem escrevemos que a obra do PT nem mesmo foi feita apenas em uma frente. O perigo é muito mais amplo:

E mais: a principal obra em relação ao aborto foi feita pelo PT às vistas de todos e não foi por falta de aviso dos militantes pró-vida. É o STF o problema mais grave no momento. O mesmo STF que foi aparelhado pelo PT com gente favorável ao aborto, gente como Luiz Roberto Barroso, que não esconde de ninguém seu favorecimento à liberação do aborto. E vem Haddad querer agora manter-se à margem de tudo o que foi feito pelo seu partido? E agora vem gente de esquerda e que se diz pró-vida querendo que levemos a sério esta gente que mente e que manipula a todos desta forma em relação a um assunto de vida e morte de seres humanos inocentes?

Também à época da última eleição, em uma postagem com o título de “Aborto: você não engana ninguém, Haddad”, mostramos que as tentativas do então candidato Haddad se distanciar do tema do aborto tratavam-se apenas de mais uma tentativa de enganar a população sobre esta importante questão. Eis um trecho:

Ou seja, Lula, enquanto candidato a presidente, usou e abusou de enganação para lidar com a questão do aborto e o mesmo aconteceu com Dilma Rousseff. Ambos assinavam documentos, davam declarações, chamavam suspeitas lideranças religiosas (Alô, Chalita!) para dar-lhes seu aval e conseguiam enganar idiotas e também aqueles não tão idiotas, mas que estão apenas esperando um migalhinha qualquer com a qual possam enganar suas consciências enquanto ajoelham diante da ideologia à qual são subservientes.

E agora vem Fernando Haddad querendo usar do mesmo artifício. Alguém irá mesmo acreditar em suas palavras ou mesmo em sua assinatura? Por acaso as palavras de Lula e Dilma ou mesmo suas assinaturas valeram de algo enquanto eles tentavam de todas as maneiras liberar o aborto no Brasil? Valeram de algo enquanto eles enchiam o STF de gente que simplesmente é conivente com o que vem sendo tentado por lá, que é a liberação do aborto totalmente à revelia da vontade da população? Valeram de algo quando colocaram um Luís Roberto Barroso e toda sua sanha abortista no STF?

Não. Suas palavras e suas assinaturas não valeram de nada. Por que então a de Fernando Haddad valeria? Haddad assinar um documento, dizer que é pessoalmente contrário ao aborto, ir à Missa e comungar sacrilegamente é coisa que só impressiona quem quer ser enganado ou quem coloca a ideologia à frente da vida humana, principalmente da vida humana ainda por nascer.

Em nosso blog, principalmente no antigo site que ainda não foi migrado para este novo domínio, existem diversas postagens mostrando o quanto o PT trabalhou pelo tema até mesmo antes de atingir o governo federal. É o caso da postagem “Luiz Erundina, pioneira do “Aborto Legal”, fala a padres”, na qual mostramos o absurdo que a então deputada fosse chamada para discursar em um encontro de sacerdotes.

Na postagem destacamos a palavra do conhecido líder pró-vida Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz sobre a obra de Luiza Erundina em relação ao aborto:

“Coube ao PT em 1989, durante a gestão de Luíza Erundina como prefeita de São Paulo, o pioneirismo na implantação da prática do aborto em um hospital público: o Hospital Dr. Arthur Ribeiro de Saboya (Hospital Jabaquara).”

Ainda o Padre Lodi:

“Coube ao PT em 1991 a tentativa de estender tal prática a todo o país, por meio do Projeto de Lei 20/91, de autoria do deputado Eduardo Jorge, o qual, aliás, fora Secretário de Saúde durante o governo Erundina.”

Mas, segundo a Marie Claire, a questão não foi “tocada nos governos do PT”. Tá certo!

Evidente que a revista não ficou apenas nesta enganação de tentar esconder a mão suja do PT em relação ao aborto, coisa que qualquer estagiário com acesso à internet pode pesquisar e comprovar. Mais à frente a revista resolveu repetir mais uma enganação da militância abortista, agora abordando os números do aborto no Brasil.

MC. Mas temos uma questão de saúde pública aí. A cada dois dias uma mulher morre no Brasil em decorrência de um aborto inseguro. Como começar a resolver isso?
JP. 
O que me parece é o seguinte: o direito da pessoa nascer é constitucional, está previsto em todos os tratados internacionais. Quando eu era jovem e estava na faculdade, se falava muito de prevenção à gravidez. Pararam de falar nisso e só se fala em aborto. Precisamos voltar a falar em prevenção.

Se, como diz a revista, a cada 2 dias morre uma mulher no Brasil devido a um aborto ilegal, então seriam 182 as mortes anuais devido a esta dita “questão de saúde pública”. Mas será que isto é assim mesmo? Talvez a publicação devesse mostrar suas fontes, pois os dados mais confiáveis que temos mostram algo totalmente diferente do que foi escrito na revista.

Também já fizemos aqui (e nos sites antigos) várias postagens nas quais mostramos com a militância abortista mente descaradamente sobre os números do aborto no Brasil. Isto é feito para empurrar a narrativa de que o aborto é uma “questão de saúde pública”. Abordando exatamente esta enganação da militância abortista, em 2016 publicamos uma postagem mostrando os dados consultados da página do DATASUS – “Você acha mesmo que aborto é problema de Saúde Pública?”.

Resumindo a questão: de 1996 a 2013 o total de mortes maternas devido a falha de tentativa de aborto foi de 184. Comparemos este número, que é uma totalização das mortes ocorridas em 18 anos, com o número de 182 mortes a cada ano publicado pela Marie Claire, e podemos ter uma idéia do tamanho da enganação que a revista tenta perpetuar. Isto não é um errinho qualquer… Isto é o que acontece quando um veículo da imprensa se presta ao papel de apenas servir de megafone para a militância abortista.

Em uma outra postagem de 2014, escrevi sobre a tentativa por parte dos abortistas de tentar emplacar o aborto como “questão de saúde pública” – “Números do aborto no Brasil: há os que só querem confundir”:

O grande mistério é que haja tanta gente para falar de aborto como problema de Saúde Pública quanto simplesmente ignora dezenas de outras causas de mortes maternas que poderiam ser minimizadas e ter um impacto considerável na vida de outras mulheres. Mas o que parece ficar claro mesmo é que para muitos a vida das mulheres e de seus filhos são detalhes a serem sacrificados no altar de uma ideologia. A autora da reportagem fala que o “mistério” do número de abortos no Brasil é devido a um “silêncio que mata”, mas o que mata mesmo é a confusão que certos órgãos de imprensa e associações de classe ajudam a criar.

Escrevi isto porque no levantamento feito em 2014 na página do DATASUS mostrava que mortes por falhas em tentativa de aborto ocupava a 29ª posição dentre todas as outras causas de mortes maternas. Para se ter uma idéia, no mesmo período de 1996 a 2013 as mortes causadas por Eclampsia foram 3612. Eis aí uma verdadeira “questão de saúde pública” na qual políticas públicas eficientes poderiam causar uma diminuição considerável nestes números e salvar milhares de mulheres e seus filhos. Lutar por um pré-natal de boa qualidade, por exemplo, teria um impacto altamente positivo, mas curiosamente a militância abortista e a revista Marie Claire, que tanto dizem defender o interesse das mulheres, preferem falar mesmo é de aborto.

Esta manipulação dos números do aborto no Brasil é antiga e é uma conhecida tática do movimento abortista internacional. Isto pode ser visto em uma outra publicação nossa: “A manipulação abortista dos números do aborto no Brasi”:

Se há coisa que deixa um abortista salivando é o número anual de mortes maternas. Trata-se de um verdadeiro fetiche abortista ficar divulgando que milhares de mulheres brasileiras morrem anualmente devido a abortos ilegais. Na verdade, não é apenas um fetiche macabro, é coisa de caso pensado, pois esta utilização de dados falsos já deu resultado em outras paragens, como revelou o Dr. Bernard Nathanson. A população dos EUA, de Portugal, Espanha e outros países já foram vítimas exatamente da mesma propaganda enganadora e o resultado foi sempre o mesmo: a matança desenfreada de bebês ainda no ventre de suas mães.

O positivo da entrevista é que as respostas da deputada Janaina Paschoal foram boas quando ela abordou a questão do aborto. Em um trecho bem interessante, a deputada defendeu que a bandeira da defesa do aborto “desmerece a própria mulher”. Evidente que a entrevistadora reagiu e quis maiores explicações. Eis a resposta da deputada:

MC. Por que desmerece?
JP. 
Primeiro porque as mulheres têm direito a nascer. Não é só menino que é gestado, né. E, segundo, que é tão interessante: legalizar aborto diminui algo que é estritamente feminino, a maternidade. Se você ouvisse os discursos… Gente que diz que o feto é como se fosse uma lombriga, um parasita, que a mulher vira hospedeira, que a gravidez é uma escravidão. Não sei até que ponto um discurso desse é positivo. Ele se vende como libertador, mas não é. É um discurso que desmerece aquilo que é essencialmente feminino, porque só a mulher pode engravidar. Só a mulher amamenta, só a mulher menstrua.

Excelente resposta.

O que a revista Marie Claire fez foi apenas juntar-se a outros veículos da imprensa nacional tais como a Veja e a Folha de São Paulo em um esforço conjunto para divulgar números irreais sobre o aborto no Brasil e desta forma enganar a população para favorecer a agenda abortista. Nenhuma supresa.

E depois estes mesmos veículos acusam os outros de espalhar “Fake News”. Certo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *